‘Olinda sem MIMO não é Olinda’, celebra público com retorno do festival à cidade

Por Itaici Brunetti
20/11/2016

Público

(Foto: Itaici Brunetti) Público MIMO Festival 2016 – Olinda

De 18 a 20 de novembro rolou o MIMO Festival em Olinda, Pernambuco. O festival que existe desde 2004 e tem como objetivo apresentar nomes consagrados e novas tendências da música brasileira e estrangeira, voltou a ser realizado este ano na cidade, para a alegria geral do público. Para quem não sabe, em 2015 o evento ficou em falta com Olinda e deixou muita gente preocupada.

“O MIMO tem que acontecer sempre porque é uma iniciativa nobre que traz música boa, que não é aquela música chata, e faz a gente valorizar o que temos no Brasil”, diz Pedro Caetano, de 32 anos, que veio de Maceió ao festival.  Júlia Braga, de 22, e amiga de Pedro, esteve poucas vezes no evento, mas tem plena consciência da importância de sua realização: “Tem bandas que não conhecemos, e, quando chegamos aqui é um acervo para enriquecermos e levarmos para a nossa cidade e poder compartilhar com os amigos”.

“Não tem uma vez em que estivemos no MIMO e não nos surpreendemos com as atrações, mesmo quando não as conhecemos”, conta Gabriela Maciedo, de 23 anos e moradora de Olinda. A amiga Maria Eduarda Rodrigues, de mesma idade e cidade,  acrescenta: “Essa troca de cultura que vem de outros países e enriquece mais ainda a cultura daqui é o que me chama a atenção. É o único festival de Olinda que tem essa proposta”.

M09A3115

(Foto: Itaici Brunetti) Gabriela Maciedo e Maria Eduarda Rodrigues

Vanderlei de Melo, de 60 anos, conhecido como ‘Magrinho’, diz: “Essa mistureba toda é importantíssima para a cidade. Aqui você encontra de ‘pirralhas’ à idosas se divertindo com as atrações. É a cultura entrando pelas veias”, e complementa: “Música é essencial para uma cidade dessa. O MIMO é o nosso pré-Carnaval, que começa desde agora”. Janaína Barros, 44 anos, e de Recife, acrescenta os dizeres do amigo: “Olinda sem o MIMO, como aconteceu no ano passado, não é Olinda, sabe? Porque a cidade é isso: cultura e arte por todos os espaços”.

M09A3124

(Foto: Itaici Brunetti) Janaína Barros e Vanderlei de Melo

Arturo Gouveia, 34 anos, de Recife, frequenta o fest desde a sua primeira edição, em 2004. “O MIMO combina muito com Olinda. É bastante eclético, tem atrações internacionais e enriquece o público. Lamentei o ano passado por não ter tido, e fiquei muito feliz por ele ter voltado”, celebra.

M09A3222

(Foto: Itaici Brunetti) Arturo Gouveia

Wendel Diego, de 20 anos, de Maceió, usa uma gíria pernambucana das mais conhecidas para definir o retorno do festival: “O MIMO é muito massa!”. Olinda está em festa!

Veja a good vibe da edição 2016 do festival:

Veja a galeria

Recomendados para você

você tem que ler