Peça mostra como o universo feminino ainda é subjugado

Por Bruno Segadilha
14/03/2017

As Minas_Créditos Babi Guinle (5)

O elenco da peça. Foto: Baby Guinle/ Divulgação

O dia Internacional da Mulher já passou, mas a causa deve ser lembrada todos os dias. O coletivo As Minas, grupo teatral idealizado pela jovem atriz Rayza Noia, estreia seu primeiro espetáculo, Eu (Quase) Morri Afogada Várias Vezes, no dia 17 de março, às 20h, na Sede das Cias, no Rio de Janeiro

A peça é um convite à reflexão acerca da desigualdade de gênero e a dramaturgia permeia pelo tema durante todo o espetáculo, misturando ficção e realidade. “Quando você entende a urgência e a beleza da luta feminista, passa a enxergar o mundo com outros olhos. Acredito que esta seja a luta de toda a mulher desde que se levanta da cama. Superar, se provar e não se permitir afogar num mundo em que ela é constantemente subjulgada”, afirma Rayza.

A peça é desenvolvida por fios condutores que se interligam, levantando diferentes pontos de vista acerca das questões abordadas. As trajetórias pessoais das atrizes também estão inseridas nesse contexto além de casos que viraram notícia, por isso a mistura entre a realidade e ficção.

Veja a galeria

Recomendados para você

você tem que ler